Garoto indígena de 2 anos é assassinado em SC


Vítor, da tribo Kaingang, era amamentado pela mãe na rodoviária de Imbituba, quando um homem se aproximou e o degolou com um estilete. Conselho Indigenista Missionário suspeita se tratar de um caso de intolerância.

04/01/2015

Da Redação

 

 
Crédito: G. Lima/ Câmara dos Deputados 

Um crime brutal e covarde aconteceu na última quarta-feira (30), na rodoviária da cidade de Imbituba, localizada no Sul de Santa Catarina.

Vítor Pinto, de 2 anos, foi morto por um homem que se aproximou, acariciou seu rosto e depois o feriu no pescoço com um estilete, por volta do meio dia.

A polícia prendeu no mesmo dia um suspeito que estava em liberdade provisória, e que logo foi liberado, porque não foi reconhecido pela mãe de Vítor, Sônia da Silva, nem pelo pai, Arcelino Pinto.

A família do garoto assassinado é originária da Aldeia Kondá, no município de Chapecó, Oeste de Santa Catarina. Segundo o delegado a família ficaria na rodoviária para vender seus artesanatos até o carnaval, quando os pais de Vítor e seus dois irmãos, um de 6 anos e outro de 12 voltariam para a aldeia.

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), informações colhidas por um advogado que acompanhou a família Kaingang apontam que o assassinato pode estar ligado a ação de grupos neonazistas ou de outras correntes segregacionistas.

Em nota, o Cimi manifestou o repúdio à violência contra indígenas e quilombolas, manifestando inquietação frente a crescente intolerância que se propaga na região sul do país: “O Conselho Indigenista Missionário manifesta preocupação com o clima de intolerância que se propaga, na região sul do país, contra os povos indígenas. Um racismo – às vezes velado, às vezes explícito – é difundido através de meios de comunicação de massa e em redes sociais. Ocorrem, com certa frequência, manifestações públicas de parlamentares ligados ao latifúndio e ao agronegócio contrários aos direitos dos povos indígenas e que incitam a população contra estes povos. Em todo o país registram-se casos de violência e de intolerância contra indígenas e quilombolas, manifestadas concretamente nas perseguições, nas práticas de discriminação, na expulsão e no assassinato de indígenas. Nestes últimos dias pelo menos cinco indígenas foram assassinados no Maranhão, Tocantins, Paraná e Santa Catarina. O Conselho Indigenista Missionário espera que esse crime hediondo seja efetivamente investigado e que, não se cometam erros ao tentar dar uma resposta imediata à sociedade, imputando a um inocente crime que não praticou”.



Comments

Post new comment

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Lines and paragraphs break automatically.

More information about formatting options

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
17 + 3 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.