Sindicato denuncia irregularidades no Hospital Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro

 

Visita à unidade de saúde ocorreu durante o carnaval e constatou graves erros

15/02/2016

Por André Vieira,

Do Rio de Janeiro (RJ)


  
Sindicato protesta contra irregularidades no Pedro Ernesto | Foto: Stefano Figalo  

Durante o último carnaval, a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais (Sintuperj) visitou o Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), ligado à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) para verificar as condições da unidade. O Sindicato produziu um relatório, protocolado no último dia 11 de fevereiro, que foi entregue tanto ao diretor-geral do hospital quanto ao reitor da Uerj, Ruy Garcia.

Durante a visita, o Sintuperj identificou alguns pontos considerados graves para a entidade:  o serviço de radiologia estava sem ar condicionado e com dois tomógrafos parados por falta de conserto e manutenção; o laboratório central também estava sem ar condicionado, colocando em risco a vida útil dos aparelhos, das amostras coletadas para exames e da própria saúde dos servidores lotados na unidade; no CTI Geral o o aparelho de ar condicionado era insuficiente para suprir o espaço, com o agravante de não ter ar condicionado no isolamento da referida unidade. 

E os problemas não param por aí. Nas enfermarias, outros agravantes chamaram a atenção do Sintuperj. Em uma delas, a Enfermaria 18, além de estar sem ar condicionado, havia ainda a proliferação de baratas. Outro ponto denunciado pelo Sindicato foi a limpeza insuficiente em todas as unidades do hospital. 

Falta diálogo

Para o médico Renato Santos, do Centro de Estudo Brasileiro em Saúde (CEBS), a situação do Hospital Universitário Pedro Ernesto não é nova e acontece, dentre outros motivos, pela  falta de interlocução entre o governo do estado e entidades representantes dos profissionais e da sociedade em geral. “O diálogo com o governo do estado não é um dos melhores. Entidades como o CEBS, a Rede de Médicos Populares, o Fórum de Saúde, o Conselho Regional de Medicina, encontram dificuldades em conversar com o governo”, critica o médico.

O profissional de saúde aponta ainda que outro erro do governo do estado é não tratar a saúde como uma das prioridades das gestões de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, ambos do PMDB. Renato alertou ainda para uma falta de capacidade de gestão por parte do poder estadual e a falta de soluções para os momentos de crise. 

Autonomia

Outro ponto que vem sendo bastante criticado por profissionais e estudantes é a proposta de Pezão de transferir a administração do Hospital Pedro Ernesto para a secretaria estadual de saúde. “Os docentes estão denunciando as condições precárias do Hupe, que está muito sucateado, e lutando contra a proposta do governo de gestão compartilhada entre o governo do estado e a administração da Uerj. A proposta fere autonomia universitária e não resolve o problema, que é a falta de recursos. É um hospital de alta complexidade e precisa de uma gestão acadêmica”, alertou Guilherme Abelha, da Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes-SN). 

Nos últimos meses a unidade de saúde vem ganhando destaque nos noticiários devido a seus problemas estruturais, ao roubo de equipamentos, como o que aconteceu no final do mês de janeiro, além da diminuição no repasses de verbas, atrasos nos pagamentos dos profissionais terceirizados, dentre outros.

Comments

Post new comment

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Lines and paragraphs break automatically.

More information about formatting options

CAPTCHA
Esse desafio é para nos certificar que você é um visitante humano e serve para evitar que envios sejam realizados por scripts automatizados de SPAM.
3 + 0 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.